Sebrae Inova Digital propõe reflexão sobre o uso das redes sociais

especialistas como Brittany Kaiser e Jaron Lanier abordaram tópicos referentes à desinformação, redes sociais e privacidade de dados

Mais de 16 mil pessoas se inscreveram para acompanhar o Sebrae Inova Digital, evento que entre os dias 12 e 14 de novembro tratou de assuntos relacionados ao empreendedorismo, marketing digital e também sobre segurança e privacidade de dados. A ex-diretora de desenvolvimento de negócios da Cambridge Analytica, a americana Brittany Kaiser e seu compatriota, o cientista da computação Jaron Lanier, foram atrações do evento que ocorreu de forma totalmente virtual e gratuita.

Brittany foi responsável por fechar o primeiro dia do evento com a palestra Como a Big Data, Trump e o Facebook quebraram a democracia?. Ela iniciou a apresentação contando sobre o fim de sua vida acadêmica, o trabalho desenvolvido para a campanha presidencial de Barack Obama, em 2007, e a trajetória na Cambridge Analytica, empresa britânica contratada pela campanha de Donald Trump à Casa Branca, em 2016.

Até então, a americana considerava o uso de dados obtidos por meio da internet como algo extraordinário, sobretudo para propósitos humanitários, podendo evitar genocídios, violações aos direitos humanos e outras formas de abuso de poder. No entanto, Brittany viu a esperança de utilizar dados de forma positiva ruir após ver um relatório de trabalho detalhando a manipulação de dados de milhares de pessoas para influenciar no processo eleitoral americano. Ela logo procurou as autoridades legais e denunciou as práticas antiéticas exercidas pela Cambridge Analytica.

Atualmente Brittany está à frente da Own Your Data Foundation e defende incansavelmente a elaboração de legislações sobre proteção de dados como algo urgente e necessário em todo o mundo. “Precisamos ter domínio sobre nossos dados hoje para que no futuro isso não vire uma bola de neve ainda maior. Dados são arquivos importantes, são produzidos todos os dias e valem milhões e até trilhões de dólares. São o bem mais valioso do mundo”, disse.

A americana também trouxe uma nova perspectiva sobre o que é ter posse dos próprios dados. Para ela, se eles são pessoais; então a pessoa tem o direito de fazer com eles o que quiser, inclusive compartilhar com empresas que queiram utilizá-los em pesquisas, em um esquema de monetização. A cessão de dados próprios para empresas em troca de dinheiro, segundo Brittany, poderia inclusive ser fonte de renda para muita gente que precisa e reduziria o quadro de extrema pobreza no mundo.

Brittany também falou sobre o uso da tecnologia blockchain para garantir a restrição de acesso a dados de cada usuário e alertou para que os participantes fiquem mais atentos aos termos de uso de aplicativos e sites, buscando saber quais dados serão utilizados e quais estão compartilhando. Ela ainda comentou sobre a necessidade de compliance e pediu que os políticos trabalhem em prol de melhorias da privacidade de dados no mundo virtual.

Já a palestra de Jaron Lanier, uma das mentes mais brilhantes e respeitadas do Vale do Silício, marcou o encerramento do Sebrae Inova Digital. Ele apresentou razões para se recriar a internet, começando sua exposição falando do poder manipulador das redes sociais. Para Lanier, sociedades em todo o mundo se tornaram escravas emocionais de um emaranhado de algoritmos.

O palestrante bateu nessa tecla e fez uma forte provocação sobre o porquê de estarmos conectados à internet o tempo todo. Lanier induziu os espectadores a refletir se seriam mais felizes se fossem um pouco menos viciados no mundo virtual. “Não sei o que é certo para o outro, mas acredito que cada pessoa deve tomar sua própria decisão e se perguntar: ‘o que aconteceria se eu deixasse as redes sociais?’, disse.

O cientista é um dos entrevistados do documentário O Dilema das Redes e comparou o uso frequente das redes sociais ao vício em jogos e assegurou que as pessoas têm suas vidas extremamente afetadas pela permanência exagerada na internet. Lanier afirmou que o modelo desenvolvido por grandes empresas digitais, como Google e o Facebook, torna os computadores e os algoritmos cada vez mais eficientes para manipular o cérebro humano, o que conduz os usuários a comportamentos específicos, mas que ainda podem ser corrigidos.

O processo de correção de todo esse ‘estrago’, segundo Lanier, seria a elaboração de um modelo de negócios totalmente diferente do que atualmente sustenta a rede mundial de computadores, o da publicidade. A solução não aconteceria da noite para o dia, mas gradualmente, a partir da criação de um sistema em que as pessoas possam ser monetizadas pelo que fazem online e também paguem pelo que gostam de fazer na internet. “Acredito que um pouco da influência do capitalismo pode ajudar a melhorar o ambiente das redes sociais”, defendeu.

Sebrae Inova Digital

O Sebrae Inova Digital foi organizado pelo Sebrae no Distrito Federal com base na experiência do Sebrae Capital Digital, evento que reuniu, em agosto do ano passado, mais de 800 pessoas interessadas em se aprofundar em temáticas relacionadas ao marketing digital e empreendedorismo.

A iniciativa integrou as atividades da Semana Global de Empreendedorismo (SGE) e contou com a participação dos empresários Caio Carneiro e Flávio Augusto; do especialista em educação e desenvolvimento humano, Rossandro Klinjey; do co-fundador da Resultados Digitais, André Siqueira; da primeira influenciadora digital de moda brasileira, Camila Coutinho; da jovem DJ franco-brasileira Rivkah, de apenas 13 anos; do professor Clóvis de Barros Filho; e da executiva e consultora nas áreas de inovação em negócios e transformação digital Martha Gabriel.

O evento foi apresentado pelo empreendedor criativo, produtor de conteúdo e especialista em inovação aberta Edson Mackeenzy.

Tags: Sebrae Inova Digital, Sebrae no DF